Processo de subjetivação em Deleuze e Guattari: o homem na esteira da Máquina Capitalista

/
0 Comments

       Para problematizar a questão da produção de subjetividades, sobretudo no contexto contemporâneo, é necessário trazer os mecanismos do capitalismo para o foco da análise. O capitalismo é uma relação tecnologia-corpo, cuja principal conexão é o poder e o desejo. O que vem mudando ao longo do tempo são as tecnologias de assujeitamento, no entanto a intenção de afirmar uma condição corpo ao ser humano permanece a mesma: tornar o corpo dócil e produtivo.

O material imprescindível para o pleno funcionamento do capitalismo não é o capital, como quer Marx[1], mas precisamente as subjetividades que desejam este sistema. Conforme Deleuze e Guattari sugerem, uma máquina capitalista que produz subjetividade se faz primeira à máquina monetária que produz moeda[2]. Hoje, com o mundo globalizado, este processo de subjetivação nos salta aos olhos sob holofotes. As sociedades vêm se constituindo como grandes fábricas de sujeitos, grandes fábricas dotadas de maquinário eficaz no serviço de produzir sujeitos de acordo com suas precisões.

A máquina capitalista invade e codifica incessantemente os fluxos dos nossos desejos, nos conduzindo a assumir determinadas formas de ser e pensar. Faz rebaixar as singularidades, as diferenças, em um movimento que nos normatiza em um modo específico de subjetividade fácil de controlar[3], e nos mantém, através da produção desta ordem - e da anti-produção de outras -, distantes da participação política.

A partir da obra de Foucault, Deleuze percebe que a operação fundamental da sociedade disciplinar é o aprisionamento, a repartição do espaço em meios fechados (escola, hospital, prisão, indústria..), e o estabelecimento de um tempo de estadia ou trabalho nestes espaços. Modelagens fixas, portanto, que poderiam ser aplicadas em diversos contextos. Deleuze mostrou que esse processo vem sendo transformado, adequado para melhor eficácia, e nos apresentou a sociedade de controle, onde o alvo principal não é mais um corpo que é posto em confinamento num espaço, mas a subjetividade, o desejo[4]. Trata-se agora de um processo que interpenetra os espaços, que instaura um tempo contínuo, que deixa os sujeitos enredados numa espécie de formação constante, prisioneiros em campo aberto. O exercício do controle está, deste modo, em toda parte, uma vez que “a linguagem digital do controle é feita de cifras, que marcam o acesso ou a recusa a uma informação”[5].

As crianças inseridas na escola, por exemplo, não estão somente submetidos a ficar certo tempo em um espaço sob a formatação dos “especialistas”. Mais do que isso, elas estão recebendo códigos, cifras que vão conduzir a melodia de suas vidas. Em Mil Platôs, Deleuze e Guattari nos mostram que “a linguagem é caso de política antes de ser caso de linguística”[6].

“Por conteúdo não se deve apenas entender a mão e as ferramentas, mas uma máquina social técnica que a elas preexiste e constitui estados de força ou formações de potência. Por expressão não se deve apenas entender a face e a linguagem, nem as línguas, mas uma máquina coletiva semiótica que a elas preexiste e constitui regimes de signos[7].” 

O processo de subjetivação ocorre continuamente na relação do sujeito com o mundo, no acontecimento, na transformação de afetos em signos. Os agenciamentos que se fundam nessa relação - que se originam nos encontros que surgem na vida -,  se enredam nos regimes de signos para produzir os desejos. “A subjetividade é produzida por agenciamentos de enunciação, por semiotização”[8].

Em se tratando do âmbito das instituições educacionais, Deleuze e Guattari apontam que “damos às crianças linguagem, canetas e cadernos, assim como damos pás e picaretas aos operários.”[9] Vale dizer que “a cultura se produz por tramas linguísticas, redes de significados e relações de poder (...) Não podemos jamais esquecer que a suposta cultura nacional comum confunde-se com a cultura dominante ”[10]. A esse respeito Deleuze e Guattari nos mostram que:

“Não existe significância independente das significações dominantes nem subjetivação independente de uma ordem estabelecida de sujeição. Ambas dependem da natureza e da transmissão das palavras de ordem em um campo social dado. (...) A verdadeira intuição não é o juízo de gramaticalidade, mas a avaliação das variáveis interiores de enunciação em relação ao conjunto das circunstancias. (...) Quando essas variáveis se relacionam de determinado modo em um dado momento, os agenciamentos se reúnem em um regime de signos ou máquina semiótica[11].”  

Lazzarato ressalta a importância de reativar o conceito de anti-produção, que vem dos anos 70 e 80, para compreender o contexto contemporâneo em que vivemos[12]. Deleuze e Guattari promoveram com a noção de anti-produção uma ruptura em relação ao Marxismo clássico que fala apenas em produção, para mostrar que processo de produção também é necessariamente um processo de anti-produção[13]. No mesmo movimento que se produz algo se anti-produz algo. No que diz respeito as subjetividades isso fica ainda mais evidente, uma vez que, por conseguinte, quando um sujeito ruma para uma forma subjetiva, para uma forma identitária, ele se distancia, por conseguinte, de outra que passa ser a oposição. “Tecnologias de poder que interferem no modo de viver, no “como” da vida, e intervêm para fazer viver, ao mesmo tempo em que deixam morrer maneiras de existir ou admite-se até mesmo a morte de parcelas inteiras de grupos sociais”[14].

O que acontece quando ensinam às crianças, aos adolescentes, etc, que a chance que eles tem de “vencer ” na vida é estudando para entrar no mercado de trabalho, em uma grande empresa, é precisamente a criação de certas linhas, de certo código que produz o desejo, que produz certa subjetividade, e, ao mesmo tempo, anti-produz outras. Anti-produção no sentido de não-criação, de não-acontecimento, como por exemplo a ressalva que trago à consequência recorrente da não-participação social.

Que este texto, prezado leitor, além de servir como auxilio na compreensão dos autores, sirva sobretudo para atiçar uma atenção ao modo como torna-se o que é, sirva para atentar às significações dominantes que constroem maneiras mortiças de existir, sirva para atentar ao agenciamento do desejo para que este flua por linhas de fugas que fogem a mesmice moral que aprisiona o homem em uma forma impotente de existir.



NOTAS REFERÊNCIAS


[1] MARX, Karl. O Capital: Crítica da Economia Política, livro I: O processo de produção do capital. Boitempo Editorial, 2013.
[2] DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs Vol. 2. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.
[3] FOUCAULT, Michel. A Vontade de Saber. Rio de Janeiro: Graal, 1977
[4] DELEUZE, Gilles. "Post-scriptum sobre as sociedades de controle". In:__________. Conversações. Editora 34, 1992.
[5] DELEUZE, Gilles. Conversações. Editora 34, 1992,  p. 226.
[6] DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs Vol. 2. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995,  p. 97.
[7] Ibidem, p. 101.
[8]  GUATTARI, Félix. ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petropolis: VOZES, 12ª edição, 2013,  p. 33.
[9] DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs Vol. 2. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995,  p. 12-13.
[10] RODRIGUES, Alexsandro. "Currículo(s), gêneros e sexualidades: nossas escolas comportam a multiplicidade". In: Jurema Oliveira (org.). (Org.). Africanidades e Brasilidades: culturas e territorialidades. 01ed.Rio de Janeiro: Dialogarts, 2015, v. 01, p. 159-173.
[11] DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs Vol. 2. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995, p. 14-24.
[12] LAZZARATO, Maurizio. Signos, máquinas, subjetividades. Signs, machines, subjectivities. Edição bilíngue. São Paulo: n-1 edições+ Edições sesc, 2014.
[13] DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: Esquizofrenia e Capitalismo. Trad. Luiz Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2010.
[14] HECKERT, Ana Lucia Coelho; DA ROCHA, Marisa Lopes. A maquinaria escolar e os processos de regulamentação da vida. Psicologia & Sociedade, v. 24, p. 85-93, 2012.



Tecnologia do Blogger.